Mosteiro Trapista - Nossa Senhora do Novo Mundo
 
Menu
 
 

Untitled Document

A Ordem Cisterciense

Do antigo tronco do monaquismo beneditino brotou, no final século XI,
um novo rebento, a Ordem Cisterciense.


Artigo 

     No ano 1098, no dia 21 de março, festa de São Bento Abade, São Roberto e seus companheiros deixaram a próspera e influente abadia de Molesmes e partiram para o inóspito e isolado vale de Cister. Eles traziam no peito um desejo intenso e amadurecido de viver para Deus e para Ele só. Eles aspiravam à pureza e simplicidade da vida monástica segundo o ideal primevo de São Bento: uma vida de conversão contínua que permitia ao monge viver o evangelho e ser transformado em Cristo.

     “Tendo chegado ao vale de Cister, os homens de Deus compreenderam que aquele local era tanto mais propício ao gênero de vida monástica que o Senhor lhes havia inspirado quanto mais inacessível e desprezível aos olhos do mundo. Abriram então uma clareira entre as árvores e os espinhos e começaram a construir ali mesmo o mosteiro”. (Exordium Parvum, 3-5).

      A crônica desta fundação recebeu o nome de Exordium parvum – “Pequeno começo”. Deste pequeno começo surgiu a Ordem Cisterciense, cujo intento era restaurar a pureza da observância da Regra, consagrando-se à busca do “único necessário”, por meio de uma vida em comum, simples e austera, em que os monges “seguindo o Cristo pobre como pobres” – Pauperes pauperem Christum sequi – vivendo em comunidade, partilhando a mesma pobreza e o mesmo trabalho, a oração e o louvor, atingiriam a união com Deus, amando-se mutuamente como Cristo os amava. Uma vida, portanto, profundamente contemplativa, uma vida “no Espírito”, e a comunidade monástica era a cidade de Deus edificada sobre a rocha, sendo seus membros as pedras vivas formando uma “morada de Deus no Espírito” (Ef 2, 22).

      Com São Bernardo de Claraval (1090 – 1153), a Ordem conheceu uma prodigiosa expansão e o amadurecimento de sua identidade espiritual, que se expressava em sua teologia mística, na liturgia e arquitetura, bem como na direção da economia das comunidades.

  • A Reforma Trapista

    Artigo 

    Nos séculos XV e XVI, sobretudo na França, vários abades buscaram iniciar uma reforma tanto nas comunidades quanto na Ordem, baseada no desejo sincero de se retornar à observância primitiva da Regra de S. Bento. No século XVII, o abade Dom Jean-Baptiste Armand de Rancé conseguiu realizar na sua comunidade de La Trappe, na Normandia, um programa radical de reforma, que catalisou e unificou os demais movimentos dentro da Ordem. Esta grande reforma enfatizava os valores de separação do mundo, silêncio, trabalho manual, renúncia e obediência. Sua reforma inspirava-se fortemente na vida eremítica do deserto egípcio (séc. III - V). Estas comunidades e congregações continuaram parte da Ordem Cisterciense até a última década do século XIX quando, reunidos pelo Papa Leão XIII para um capítulo, três congregações "trapistas" (Sept-Fons, Melleray e Westmalle) agregaram-se juridicamente para formar uma nova Ordem, a Ordem Cisterciense da Estrita Observância (Trapistas).